2016 e a necessidade de saltar de paraquedas

Image and video hosting by TinyPic

Lhes escrevo após viver um rush de adrenalina que foi a minha experiência desse domingo 17/07. Mas, como diria o Jack Estripador, vamos por partes.

O ano de 2016 está sendo meio bunda, muitas coisas, que não estão dentro do meu controle, mudaram e com isso toda a minha perspectiva de vida mudou. Minha psicóloga não cansa de tentar me convencer que é um ano de aprendizagem e a cada dia que passa estou mais madura. Honestamente, eu estou me sentindo um mar de emoções, travando uma luta constante entre o desanimo e positividade. Mas… como estou determinada a passar por isso, comecei a pensar em alternativas de tornar esse um ano memorável.

Eis que surge uma promoção no Groupon do salto de paraquedas, aquele e-mail ficou na minha cabeça por 2 dias inteiros. Perguntei pro meu namorado se ele saltaria e ele disse “sim”. Resolvi clicar novamente e, inacreditavelmente, estava ainda mais barato. Então pensei: “É agora!”. Marquei o salto para o dia 17/07 que era um dia simbólico para mim.

Image and video hosting by TinyPic

Foram várias recomendações antes do salto, selecionei algumas mais importantes:

  • O salto de batismo precisa ser duplo, ou seja, você salta com um instrutor. Meu namorado achou essa condição muito desconfortável.
  • O limite de peso do aluno de salto duplo é de 90kg utilizando um equipamento padrão.
  • Não é necessário nenhum tipo de exame medico para o salto duplo.
  • Use roupas confortáveis e tênis.
  • Não se deve beber 48h antes do salto.
  • Você deve se alimentar bem antes do salto para não enjoar.
  • Você não consegue saltar junto de seu amigo, namorado ou qualquer coisa. Na verdade, você mal consegue vê-lo durante o processo.
  • Você não pode saltar com a sua câmera. Para isso é preciso ter executado 50 saltos.

Chegamos no local do salto as 8:30 e fizemos um rápido curso onde informam as 5 coisas que você precisa precisar fazer durante o salto:

  1. Coloque a cabeça para traz na hora do salto.
  2. Segure as alças do traje.
  3. Dobre as pernas para traz, isso estabiliza a queda.
  4. Quando o instrutor te tocar significa que você pode abrir os braços.
  5. Na aterrisagem tem que levantar as pernas para você terminar o voo sentadinho.

Enquanto aguardávamos eu estava tão nervosa que me tornei a maníaca do sorriso:
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Até o instrutor desistiu de mim… (risos)

Então imaginem um teco-teco barulhento que sobe muito, mas muito alto. É assim. Entulhado de gente. Eu fui escolhida para ser a ultima a saltar. Na hora, tive todas as vontades do mundo: vomitar, fazer coco, fazer xixi. Do nada você escuta: “PEN PEN PEN!”. Juro! Aquele barulho típico de quando deu pani no sistema. Mas, na verdade, é o anuncio que os saltos vão começar.

O paraquedista amarrado em você te direciona para a beirada do avião. Não dá muito tempo para pensar. Só tem espaço para o vento e a adrenalina. 200km/h e você mal consegue respirar – é sério – é necessário dar um grito para soltar o ar que está no pulmão, a impressão para mim foi a de renascer – sabe quando o neném nasce e ele precisa chorar para o pulmão funcionar? É isso! Só que no grito.
E o sorriso não saiu do rosto nem 1 minuto. Acho que piorei o dano cerebral que já tinha. Ao menos, espero ter produzido muitas endorfinas.
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic
Image and video hosting by TinyPic

Coisas que vale a pena mencionar: No momento da queda estava tudo muito instável, isso porque eu esqueci de levantar as perninhas; você não sente dor com o tranco do paraquedas abrindo; o instrutor solta um pouco o cinto após a abertura de paraquedas e isso dá um susto; a aterrisagem é tranquila, de bumbum, mas você tem que cooperar.

Image and video hosting by TinyPic

Eu queria ter postado o vídeo aqui no blog, mas está muito pesado. Vou ver que mágica faço e posto depois.
Gostaria de agradecer ao meu namorado por ter participado dessa empreitada comigo e ter sido o melhor companheiro de aventura, eu não teria coragem de ir sozinha.
Achei tudo uma delicia, mas realmente é para os fortes. Se você tem vontade, saiba que vale muito a pena!

Ficou com alguma dúvida? Comente que eu respondo!

Image and video hosting by TinyPic

Continue Reading

Conhecendo o MIS

Image and video hosting by TinyPic

Então! Estou muito animada! Passei esse feriado em SP e foi uma grande oportunidade para conferir a expo dos X-MEN que está rolando no MIS (Museu de Imagem e Som). “- Sim! O mesmo que recebeu a expo do Tim Burton (Obs: Insuportavelmente cheia) e anteriormente a expo do Castelo Ra tim bum”.

Primeiramente, tenho que perguntar: Você conhece o MIS?

Caso negativo…

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo fica localizado no bairro Jardins, bairro dos ricaços. Foi inaugurado em 1970. Seu acervo conta com mais de 200 mil itens como fotografias, filmes, vídeos e cartazes, além de promover exposições e mostras de cinema regularmente. O museu também proporciona espaços para novos artistas, que, exibem seus trabalhos dentro de programas de fotografia, cinema, dança e música.

Image and video hosting by TinyPicEntão, dia 27/05, Aproveitei para conferir a exposição dos X-men, que está propagandeando a estreia do filme “X-men: Apocalipse”  – Que eu assisti logo após a expo e achei bastante bom – Após mil horas de fila, pude conhecer alguns itens que foram utilizados desde o primeiro filme que estreou no ano 2000 até o penúltimo filme de 2014.

Eu, particularmente, achei que alguns itens tem cara de brinquedo, Mas…. fiz uma seleção do que mais me impressionou.

As roupas expostas são fantasticas e dá vontade de experimentar! Da esquerda para direita podemos ver: Noturno, tempestade, Professor Xavier e Magneto. Ao vivo, a roupa da tempestade é muito real, já a do magneto parece um pijama mal feito.

Image and video hosting by TinyPic

Ver os componentes do Fera (Hank McCoy) multilados, opa!, separados, é interessante, eu não imaginava que era assim que acontecia a produção.

Image and video hosting by TinyPic

E a Mistica então?! Outro personagem que leva muito tempo para ficar pronta. Nas fotos podemos ver as escamas do rosto, ombro e peitos. Mas tenham em mente que ela fica TODA AZUL e basicamente nua… Haja tinta!

Image and video hosting by TinyPic

O capacete do magneto, o cérebro e o capacete do soldado Trash do futuro também são itens chamativos – especialmente o cérebro – Vontade louca de experimentar (2) e tirar uma foto pro perfil!

Image and video hosting by TinyPic

Por fim, fica aqui uma recomendação cultural: Vá se perder (ou se encontrar) pelo bairro maravilhoso dos Jardins e conheça esse cantinho. Aproveita para dar um pulinho no MuBE , um outro museu que fica literalmente ao lado. É programa para tarde toda!

Lembrando que a expo do Tim Burton já está na ultima semana e a dos X-Men fica até 07/07 e é gratuita.

Dica1: se puder, evite os finais de semana é realmente cheio.

Dica 2: Mas se você não for estar por SP durante o periodo da mostra dos xmen. Vale entrar no site do MIS e conferir a programação.

Image and video hosting by TinyPic

Continue Reading

Trilha do Morro Dois Irmãos

Image and video hosting by TinyPic

Então decidimos fazer uma trilha. A história é essa: Clari não é fã de matos em geral e Sarah é aventureira porém preguiçosa, mas uma amiga nos convidou para comemorar seu aniversário fazendo a trilha do morro dois irmãos. Como a trilha é considerada leve a moderada decidimos aproveitar a oportunidade e encarar o desafio. E valeu a pena!

.

Tudo começou com uma leve viagem de Niterói para o Rio de carro. Estacionamos no Leblon e caminhamos pela Av. Niemeyer até a base do Vidigal – aproveitamos para estrear a ciclovia. Lá pegamos uma kombi e cortamos caminho para o inicio da trilha. Alias, gostaríamos de comentar que pelo menos no trecho que passamos o Vidigal é muito tranquilo e a trilha é super movimentada, tem gente subindo todo o tempo, e a comunidade como um todo tem se voltado muito ao turismo recentemente.

O começo:

A trilha se inicia marcada por muitas “plantas plantadas” (claramente cultivadas por pessoas e não originais). Mas como pudemos verificar ali e em todo o percurso é impossível se perder e percebe-se que há manutenção da trilha. Existem muitos guias locais para subir a trilha, mas optamos por subir sozinhas mesmo.

.

A parada:

A trilha não tem uma dificuldade alta, achamos que se equivale ao esforço de subir muitas escadas. Mas o calor pega e o cansaço também, por isso a parada. Sim! Tem vendedor ambulante ao final do primeiro trecho da trilha com banquinhos para descansar e água para comprar – Porém não deixe de levar uma garrafinha e uma frutinha.

.

Durante:

A trilha é composta de vários mirantes – infelizmente todos ficam cheios de gente (não tenho certeza se pelas fotos ou pelo descanso na subida) e é difícil conseguir espaço para tirar uma foto sem levar um pé ou uma mão.
Acabamos optando por seguir e parar nesses locais na volta – Na verdade paramos mil vezes para descansar.

.

Cume:

É deslumbrante! Dá vontade de tirar mil fotos – o único amigo homem que acompanhou nosso grupo de 7 mulheres já estava entediado de tanta foto que tiramos.

.

E, sério, faz esquecer todo o esforço da subida – é incrível e indescritível.

.

Descida:
Escorrega… Havia chovido uns dois dias antes na cidade, mas a gente não sabe se lá exatamente. De qualquer forma, não achamos que seria recomendável fazer a trilha logo após uma chuva.

.

Por fim, conselho: independente da sua forma física, idade e hábitos, se você é turista ou local – é um passeio deslumbrante, empolgante e imperdível.

.

Continue Reading