“Eu tenho um plano”

Adulta, eu?

– Ué, mas não é todo mundo que tem um desses?
– Não um especial como o meu, tão bom. É sério, quando ouvir você também vai achar genial! É a solução de todos os nossos problemas!

– Eu não acredito em soluções prontas. Tentam nos vender isso todos os dias, e você sabe tão bem quanto eu. Pode não ser todo mundo que percebe, mas nós somos diferentes, não é mesmo? A gente teve acesso a uma boa educação, pudemos ver bem como soluções prontas arruinaram grandes sociedades.

– Mas não somos os únicos! Porque então ninguém mais percebe o que tá acontecendo com o mundo?

– O que você acha que está acontecendo com o mundo?

– Um desastre iminente, de proporções tão monumentais que mal consigo achar palavras. Nos vejo andando em direção a um abismo colossal, onde a pouca luz que alcança o fundo apenas chega aos olhos de uns poucos, que não podem mais do que apenas se lamentar pela situação da humanidade. O que eu vejo é tão aterrorizante que na maior parte do tempo meu pensamento se desvia. É mais fácil, eu acho, ignorar que sei disso e fingir que tenho grandes problemas com a bateria do meu celular acabando daqui a 15 minutos e eu ainda tenho que voltar de uber pra casa.

– Eu entendo, também visualizo esse mundo pós-apocalíptico. Cheio de pessoas intolerantes, preenchidas somente por ódio, inveja e resignação. Pra te ser sincero, me deixa bem pra baixo esse papo todo. Tento não me deixar levar por esse tipo de pensamento… como você disse, é mais fácil se concentrar nos nossos grandes pequenos problemas. Aliás, acabou a cerveja gelada.

– Mas o meu plano é genial por isso, acho que temos uma chance enquanto humanidade.

– Vai resolver o problema da cerveja gelada e da bateria do celular?

– Estúpido, me escuta. Se a gente chegar nesse nível de sociedade que eu planejo, só nos sobrarão esses problemas inventados. E vamos poder olhar pra eles, xingar um pouco as ironias do universo e seguir em frente, PLENOS, independente dos acessórios externos. E você sabe que quando eu falo de plenitude nada tem a ver com religião ou espiritualidade, né? Por enquanto é só um sentimento que eu imagino, e assim como seria difícil descrever a alegria ou a tristeza para alguém que nunca vivenciou isso, é difícil pra mim achar as palavras agora. Ao invés de palavras, pensa na sensação que essas coisas te trazem olha: calma, felicidade, uma noite bem dormida. Sabe? Consegue imaginar também?

– Pra mim é só imaginação também. Mas acho que entendi o que você quer dizer. E esse plano, tô curioso para admirar sua genialidade.

– Não ri de mim! Promete?

– Prometo.

– Eu sei que vai parecer ingênuo, quase platônico… mas promete que não vai rir de mim?

– Claro. As melhores ideias são as inocentes, que conseguem ser mais objetivas ao abordar um problema, por incrível que pareça. Um exemplo é só fazer qualquer pergunta pra uma criança; como aquele caso que você me contou uma vez. Não me lembro filho de quem, ou sobrinho de quem, mas que ao ser apresentado a famosa lei “Dois corpos não ocupam o mesmo espaço ao mesmo tempo” imediatamente perguntou “Mas e as grávidas?”

– Pode até ser, mas por outro lado, ele não refutou nenhuma lei da física né? Era só uma questão de compreensão do conceito certo etc etc.

– Ainda assim, as respostas inesperadas, diretas e espontâneas são aquelas que a gente guarda. Alguém já falou em algum momento da história que as soluções mais simples são geralmente as corretas. E aliás, alguém já deve ter falado também, que clichês só se tornam clichês porque dizem a verdade.

– Bem, meu plano então. Acho que tudo se resume a liberdade. Liberdade de expressão, liberdade econômica, liberdade para que cada um alcance o lugar onde quer chegar. Acrescentaria também que fosse obrigatório que todos optassem por pelo menos um método para o auto-conhecimento, sabe? Pra identificar melhor suas características e terem uma expectativa boa do que querem e podem alcançar. Parece que grande parte dos nossos problemas hoje são as expectativas irreais que…

– Antes que você continue, é claro que a gente tá falando de um mundo mágico onde todo mundo sente empatia né?

– Eu acredito que todos sentem empatia. É um sentimento humano como qualquer outro. Algumas pessoas só preferem ignorar esse zumbido chato que vem lá do fundo porque é mais confortável, é mais fácil se sentir melhor consigo mesmo quando você pisa por cima de alguém. Aí, é só abafar o zumbido com bastante post de facebook.

– Ainda assim, esse plano só funciona se todos concordarem em segui-lo né? Não adianta eu e você mudarmos agora porque estamos inseridos em uma sociedade que não é assim.

– É. Sobre a propagação do plano é que eu tive uns problemas. Continuo achando ele genial, mas admito que não é perfeito. Produto de uma epifania, que por sua vez é produto de uma cabeça que não consegue ficar vazia por um milissegundo. Você pode dizer que não, mas você sabe bem como é.

– Infelizmente sei sim.

– Bem, a alternativa número 1 envolve eu como governante absoluta do planeta. Assim, poderia mandar todo mundo se comportar do jeito que eu acho que deve. Eu entendo que tenho problemas práticos de como chegar lá, mas ainda é minha opção número 1. Ainda sonho que um dia vou fazer um pedido a noite, antes de dormir, e de manhã vejo tudo realizado. É, nesse caso, dá pra seguir com o plano mas admito que é minimamente improvável. Não me olha com essa cara, eu continuo achando que é a melhor opção. Se eu conseguisse fazer todo mundo pensar como eu, o mundo seria um lugar melhor. Daí derivou minha alternativa número 2: convencer todo mundo que eu alcanço, todo mundo que puder me ouvir. Conversar de verdade, debater problemas e apresentar meu jeito de pensar. Todo mundo que for minimamente esperto tem que concordar comigo. Você não acha?

– E você não vê nada de levemente perigoso nesse seu discurso?

– Confesso que pode soar meio ditatorial… mas você me conhece, sabe que as minhas intenções são as melhores possíveis. Eu realmente acredito que se todo mundo pensasse igual a mim o mundo seria um lugar melhor.

– Um monte de gente já pensou isso antes, um monte de gente já conseguiu chegar nessa posição de obrigar uma sociedade a agir como eles achavam melhor. Alguma vez deu certo? Eu sei que suas intenções são boas, você é uma pessoa incrível e inteligente, mas nesse caso você só está repetindo esses mesmos comportamentos que você tanto critica. Você vai pro outro lado no quesito de opinião, mas tem o mesmo discurso intolerante de todo mundo que você mesma julga culpado hoje por esse futuro louco que estávamos descrevendo. Percebe? Você realmente acredita, do fundo do seu ser, que você é uma pessoa completa? Ou tem ainda algum espaço pra crescer?

– Acho que sim, ninguém nunca fica “pronto”…

– Enquanto você tiver espaço pra crescer suas opiniões vão mudar, vão se aprimorar. Sua visão de mundo pode ficar mais apurada, mesmo quando você acredita que já vê tudo claramente. Enquanto você admitir que pode ser imperfeita seu plano não vai ser bom o suficiente pra todo mundo. Você não gosta de conversar? Porque iria acabar com isso?! Justamente o lado bom da conversa que é a troca de ideias, iria acabar com o seu plano. Nunca se coloque numa posição que você ache que é absoluta, porque ela será e isso não é uma coisa boa. O mundo está cheio de pessoas absolutistas, e eu acredito que esse é o caminho mais rápido para o abismo. Radicalismo de qualquer lado é radicalismo.

Image and video hosting by TinyPic

*caso não tenha ficado claro, esse é um texto fictício. Não ouso chamar de outra coisa se não só umas coisas anotadas num “pedaço de papel”, mal é um texto na verdade. Só achei que devia ir pro mundo, e assim nasce uma nova categoria aqui que será alimentada eventualmente.

 

 

Você também irá gostar de ...

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *